BLOG

Verónika Mendoza desponta como opção da esquerda às presidenciais no Peru

Noticias

Depois de meses afundada na categoria «outros» das pesquisas de opinião e com promessas de mudanças radicais na economia, a congressista Verónika Mendoza despontou como a mais clara opção da esquerda em três décadas para disputar a Presidência no Peru.

Faltando uma semana para as presidenciais, esta jovem de 35 anos é a nova surpresa do pleito peruano. Duas recentes pesquisas atribuem a ela uma poderosa ascensão de 5 a 7 pontos percentuais em 15 dias, e um empate técnico no segundo lugar com o economista de direita Pedro Pablo Kuczynski, visto com simpatia pelos mercados. Segundo a empresa Gfk, Mendoza tem 15% das intenções de voto, ombro a ombro com Kuczynski, com 15,1%, em uma disputa liderada de longe pela conservadora Keiko Fujimori, com 37% das intenções de voto. A empresa Datum, por sua vez, atribui 14,8% a Mendoza e 16% a Kuczynski.

Filha de mãe francesa e pai peruano, ‘Vero’ nasceu em Cusco, capital do império inca. A quem quer ridicularizá-la entrevistando-a em francês – idioma que ela domina -, ela responde em quéchua, idioma autóctone que predominou no Peru até a conquista espanhola, em 1532, e que agora é falado apenas por uma minoria.

Se vencer as eleições, ela proporá uma nova Constituição para realizar «transformações radicais». Por questões ambientais, ela tem questionado projetos de mineração em um país onde a extração de recursos naturais é chave para a economia.

Ela defende um modelo alternativo ao primário exportador e acredita que o Estado deve recuperar a soberania dos recursos naturais. Por exemplo, propõe a negociação de contratos de exploração de gás. «Estamos a um passo do segundo turno. Vamos trabalhar com mais força», escreveu sexta-feira no Twitter.

Sua ascensão, no entanto, não agradou aos mercados: na sexta-feira, a moeda peruana e a bolsa caíram, com agentes destacando Mendoza como um dos motivos.
Confusão e renúncias

Partidos frágeis, a eterna busca de um ‘outsider’ ante o cansaço com a política tradicional e uma nova lei eleitoral que permitiu a eliminação de candidatos fizeram com os eleitores se adaptassem às circunstâncias. Dois participantes já foram expulsos e outros sete renunciaram, enquanto as impugnações a candidaturas prosseguem faltando uma semana para as eleições.

Em meio a tanta confusão e em um momento em que a esquerda latino-americana perde força, Mendoza avançou explorando a imagem de decência e honestidade que o eleitorado quer, e resistiu a críticas de setores de direita e até da Igreja Católica por sua postura favorável à união civil entre pessoas do mesmo sexo e ao aborto.

Chamou de golpista a oposição venezuelana, para em seguida se corrigir, o que lhe rendeu o título de «chavista» dado por seus opositores que, além do mais, tentam vinculá-la a grupos armados maoístas e guevaristas que semearam o terror no país durante a época do conflito interno (1980-2000).

Mendoza diz que não aplicará no Pero o modelo da Venezuela e rechaçou todo vínculo com organizações extremistas. «É indigno que se utilize a dor que o terrorismo causou ao nosso povo para uma guerra suja contra nossa proposta de mudança», afirmou.

«Se um candidato tem mais exposição midiática e mais cobertura da mídia, independentemente do teor, isto tem um efeito que não se pode prever. Em alguns, é positivo e em outros, negativo», avaliou a diretora do instituto de pesquisas Datum, Urpi Torrado.
Duas mulheres?

Se forem confirmados os resultados das pesquisas, nenhum candidato obteria a metade mais um dos votos, o que levará a um segundo turno. E se for mantida a tendência atual de crescimento de Mendoza, pela primeira vez na história do Peru duas mulheres disputariam a Presidência do país.

Keiko, filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), que cumpre pena por crimes de corrupção e contra a humanidade, foi a primeira dama do governo de seu pai, razão pela qual seus críticos também a responsabilizam por estes crimes, apesar dos esforços dela em marcar distância. Formada em Administração em Boston e em Columbia, Keiko herdou do pai um voto cativo de 30%, sobre o qual tem trabalhado.

Verónika, por sua vez, mestre em Antropologia pela Universidade de Sorbonne Nouvelle, deixou em 2012 o governista Partido Nacionalista por divergências e iniciou sua aventura. Seu partido, a Frente Ampla – um conglomerado de pequenos partidos – representa a tentativa mais séria da esquerda peruana desde a queda do muro de Berlim, em 1989, de recuperar o terreno perdido após ter representado um terço do eleitorado alguma vez.

 

AFP

Últimos do Blog
Noticias

Gobierno de Bolivia entregará títulos de tierra a campesinos

Más
Noticias

Colombia. Los cinco precandidatos presidenciales que ya tiene el Pacto Histórico para 2022

Más
Noticias

Nito Cortizo aseguró que en su administración no se han realizado escuchas ilegales

Más
Noticias

Enrique Sánchez está enfocado en refundar el Partido Febrerista

Más
Noticias

PRI y PRD pierden más del 70% de su militancia

Más
Noticias

Legislativo de Ecuador instala mesa sobre demandada ley de educación

Más
Noticias

Castillo nombra a primer ministro de izquierda en Perú y deja pendiente al de Economía

Más
Noticias

Argentina passa a considerar cuidado materno como trabalho e garante direito à aposentadoria de 155 mil mulheres

Más
Noticias

PRD pide a ciudadanos no participar en la consulta popular del 1 de agosto

Más
Noticias

Bolsonaro emprende nueva reforma ministerial para sumar apoyos en el Congreso

Más
Noticias

La hora de Pedro Castillo

Más
Noticias

Colombia Humana, UP y MAIS se declararon en oposición a Claudia López

Más
Noticias

Proyectos que ha realizado la alcaldía de Claudia López

Más
Noticias

Presidente del partido de izquierdas uruguayo deja su cargo y llama a unión

Más
Noticias

Mónica Fein será precandidata a diputada nacional y enfrentará a la lista de Pablo Javkin

Más
Noticias

Narváez marca primeras diferencias con candidatura de Provoste: “La realidad que hemos visto, es que es una reacción a las encuestas”

Más
Noticias

Presidente del PS, Álvaro Elizalde, asegura que Narváez no bajará su candidatura en favor de Yasna Provoste

Más
Noticias

Nicaragua: el régimen continúa con la persecución a opositores y Ortega aseguró que “no hay espacio para la negociación”

Más
Noticias

Colas para hacerse con un hueso de carne: el hambre se dispara en Brasil

Más
Noticias

Sí Por México llama a PAN, PRI y PRD a buscar candidato de unidad para las elecciones de 2024

Más
Noticias

Pedro Castillo teje una red de apoyos para gobernar Perú en un escenario adverso

Más
Noticias

La Policía investiga a Bolsonaro por supuesta prevaricación en la pandemia

Más
Noticias

Gustavo Petro brasileño está cansado de que lo culpen de todo en Twitter

Más
Noticias

Claudia López acusa a Petro de ‘incendiar a Colombia’

Más
Noticias

Ex-ministro da Defesa da Bolívia planejou segundo golpe usando mercenários dos EUA

Más
Noticias

Cuba logra la primera vacuna latinoamericana con datos de efectividad al nivel de Pfizer y Moderna

Más
Noticias

Presentan en Ecuador propuesta para ley de aborto por violación

Más
Brasil

El bolsonarismo puede volver al poder

Más
Perú

La pobreza extrema en Perú durante el Gobierno de Boluarte supera ya los niveles de la pandemia

Más
Venezuela

Petro ya tiene en su poder el borrador de «paz política» en Venezuela tras las elecciones presidenciales

Más