BLOG

Especialistas independentes da ONU criticam criminalização do aborto e da prostituição no mundo

Mujeres

Um grupo de trabalho de especialistas independentes das Nações Unidas focado no combate à discriminação contra as mulheres pediu em meados de junho (17) que governos de todo o mundo tomem ações imediatas e efetivas para resolver o problema da proteção dos direitos das mulheres à saúde, incluindo sua saúde sexual e reprodutiva.

Segundo um novo relatório dirigido ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, a instrumentalização e a politização da saúde reprodutiva e sexual feminina em diversos países faz com que as mulheres paguem um alto preço em termos de saúde e, inclusive, com suas próprias vidas.

“Em alguns países, como resultado de leis antiaborto retrógradas, as mulheres são presas por abortar, o que impõe um custo intolerável a elas, suas famílias e às sociedades”, disse a especialista de direitos humanos e líder do grupo de trabalho, Frances Raday. “Estamos particularmente preocupados com o uso de sanções criminais para controlar a autonomia das mulheres em relação a seu corpo e suas vidas”.

De acordo com o relatório, a criminalização do aborto sujeita mulheres a sérios riscos de vida e saúde. “A criminalização não reduz o recurso ao aborto. Em vez disso, como demonstram os dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), leva as mulheres a buscar soluções clandestinas e inseguras”, disse a especialista independente.

O documento também criticou a criminalização da prostituição, que segundo os especialistas coloca mulheres em situação de injustiça, vulnerabilidade e estigma, indo contra as leis de direitos humanos internacionais. “O que elas precisam é de garantias de acesso a serviços de saúde sexual, proteção em relação à violência e discriminação e acesso a oportunidades econômicas alternativas.”

 

Instrumentalização do corpo feminino

Para o grupo de trabalho, a utilização do corpo feminino como instrumento para propósitos políticos, econômicos, culturais e religiosos representa um obstáculo para o bem-estar e a segurança das mulheres, enquanto o empoderamento feminino está “intrinsecamente ligado à capacidade de as mulheres controlarem suas vidas reprodutivas”.

“Por todo seu ciclo de vida, os corpos das mulheres são frequentemente instrumentalizados, e suas funções biológicas e necessidades estigmatizadas”, disse Raday. “A instrumentalização do corpo feminino está no centro da discriminação contra as mulheres, obstruindo seu acesso a altos padrões de saúde.”

Os especialistas definiram como instrumentalização a sujeição das funções biológicas naturais das mulheres a uma agenda patriarcal politizada. “Entender e combater a instrumentalização dos corpos das mulheres e seu impacto negativo em sua saúde é crucial para que mudanças ocorram”, declarou Raday.

De acordo com o grupo de trabalho, há manifestações de instrumentalização do corpo feminino em todas as religiões, assim como tabus relacionados à menstruação, amamentação e menopausa, além de estereótipos que resultam em práticas como mutilação genital feminina ou que prejudicam a imagem do corpo feminino, levando as mulheres a buscar procedimentos cosméticos invasivos.

Raday pediu que governos respeitem os compromissos internacionais feitos nas últimas décadas incluindo os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que têm entre suas metas a promoção da igualdade de gênero até 2030, incluindo aspectos de segurança e saúde.

Para a especialista, isso representa a necessidade de “um forte compromisso com os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres nas leis internacionais e nacionais, políticas e programas, que são cruciais para atingir a igualdade de gênero e garantir o direito de meninas e mulheres à saúde e bem-estar”.

O relatório concluiu que o direito das mulheres à saúde precisa ser autônomo, efetivo e acessível, e que os Estados têm a responsabilidade primária de respeitar, proteger e garantir esse direito na lei e na prática, inclusive nos locais em que os serviços de saúde são oferecidos pelo setor privado.

 

Mais de 20 milhões de abortos inseguros por ano

Leis e práticas discriminatórias contribuíram para uma situação global grave em relação à saúde e segurança das mulheres, o que exige ações urgentes e efetivas, segundo o relatório.

De acordo com a OMS, estimadas 225 milhões de mulheres são privadas de acesso a métodos modernos de contracepção, enquanto complicações na gravidez e/ou no parto resultaram na morte de quase 300 mil mulheres no mundo em 2013.

Cerca de 22 milhões de abortos inseguros ocorrem anualmente no mundo, com estimadas 47 mil mortes por complicações a cada ano.

Câncer cervical e de mama são os tipos de câncer com maior incidência entre mulheres de 20 a 59 anos, resultando em 1 milhão de mortes, a maior parte em países de baixa e média renda onde exames, prevenção e tratamento são quase inexistentes.

As mulheres e meninas também enfrentam o impacto da violência doméstica. Uma em cada três mulheres com menos de 50 anos no mundo passou por violência física e/ou sexual cometida por parceiro ou membro da família. Ao menos 200 milhões de mulheres e meninas foram alvo de mutilação genital.

 

Leia aqui o relatório completo (em inglês).

 

Organização das Nações Unidas (ONU)

Últimos do Blog
Noticias

Gobierno de Bolivia entregará títulos de tierra a campesinos

Más
Noticias

Colombia. Los cinco precandidatos presidenciales que ya tiene el Pacto Histórico para 2022

Más
Noticias

Nito Cortizo aseguró que en su administración no se han realizado escuchas ilegales

Más
Noticias

Enrique Sánchez está enfocado en refundar el Partido Febrerista

Más
Noticias

PRI y PRD pierden más del 70% de su militancia

Más
Noticias

Legislativo de Ecuador instala mesa sobre demandada ley de educación

Más
Noticias

Castillo nombra a primer ministro de izquierda en Perú y deja pendiente al de Economía

Más
Noticias

Argentina passa a considerar cuidado materno como trabalho e garante direito à aposentadoria de 155 mil mulheres

Más
Noticias

PRD pide a ciudadanos no participar en la consulta popular del 1 de agosto

Más
Noticias

Bolsonaro emprende nueva reforma ministerial para sumar apoyos en el Congreso

Más
Noticias

La hora de Pedro Castillo

Más
Noticias

Colombia Humana, UP y MAIS se declararon en oposición a Claudia López

Más
Noticias

Proyectos que ha realizado la alcaldía de Claudia López

Más
Noticias

Presidente del partido de izquierdas uruguayo deja su cargo y llama a unión

Más
Noticias

Mónica Fein será precandidata a diputada nacional y enfrentará a la lista de Pablo Javkin

Más
Noticias

Narváez marca primeras diferencias con candidatura de Provoste: “La realidad que hemos visto, es que es una reacción a las encuestas”

Más
Noticias

Presidente del PS, Álvaro Elizalde, asegura que Narváez no bajará su candidatura en favor de Yasna Provoste

Más
Noticias

Nicaragua: el régimen continúa con la persecución a opositores y Ortega aseguró que “no hay espacio para la negociación”

Más
Noticias

Colas para hacerse con un hueso de carne: el hambre se dispara en Brasil

Más
Noticias

Sí Por México llama a PAN, PRI y PRD a buscar candidato de unidad para las elecciones de 2024

Más
Noticias

Pedro Castillo teje una red de apoyos para gobernar Perú en un escenario adverso

Más
Noticias

La Policía investiga a Bolsonaro por supuesta prevaricación en la pandemia

Más
Noticias

Gustavo Petro brasileño está cansado de que lo culpen de todo en Twitter

Más
Noticias

Claudia López acusa a Petro de ‘incendiar a Colombia’

Más
Noticias

Ex-ministro da Defesa da Bolívia planejou segundo golpe usando mercenários dos EUA

Más
Noticias

Cuba logra la primera vacuna latinoamericana con datos de efectividad al nivel de Pfizer y Moderna

Más
Noticias

Presentan en Ecuador propuesta para ley de aborto por violación

Más
Colombia

El Gobierno de Colombia acelera para ofrecer resultados en sus cien primeros días

Más
Perú

Pedro Castillo: «El problema de la corrupción se ha institucionalizado en todos los estamentos del Gobierno»

Más
Paraguay

Sospechan de incendio en TSJE: «Si no es un atentado, se le parece mucho»

Más