BLOG

Entrevista com Maria da Penha, vítima de violência doméstica que inspirou a criação de lei para proteção das mulheres brasileiras

Mujeres

MariaPenhaEm 1983, a farmacêutica bioquímica Maria da Penha Maia Fernandes foi vítima do marido, com um tiro nas costas enquanto dormia. O disparo deixou-a paraplégica. Julgado e condenado por duas vezes, ele obteve liberdade devido a recursos impetrados pelos advogados. Ela não esmoreceu.

Onze anos depois, publicou o livro Sobrevivi… Posso contar, que serviu para denunciar o Brasil na Organização dos Estados Americanos. A denúncia resultou na condenação internacional do Brasil por tolerância e omissão estatal.

Com a repreensão, o país foi obrigado a cumprir recomendações como mudar a lei para prevenir e proteger a mulher em situação de violência doméstica e punir o agressor. Nascia a lei federal 11.340, mais conhecida pelo nome da vítima cearense. Confira a entrevista:

 

Que balanço pode ser feito nesses últimos 10 anos em relação à lei? Como é possível avançar?

Eu tenho dois aspectos, um positivo e um negativo. O positivo é que 98% da população brasileira tem conhecimento que existe uma lei para cuidar das mulheres e proteger da violência doméstica. Que essas políticas públicas que atendem ao funcionamento da lei foram criadas nas grandes cidades, geralmente nas capitais. E o negativo é que infelizmente são poucos os pequenos e médios municípios que têm criado a estrutura para fazer a lei funcionar. Os gestores públicos dos pequenos e médios não estão investindo na condição para que a lei realmente tenha de atender as mulheres. Agora, tem-se que cobrar dos gestores públicos a obrigação que eles têm de atender as mulheres de seus municípios, criando os equipamentos que fazem com que a lei saia do papel.

 

A senhora enxerga uma mudança no comportamento das mulheres? Elas estão mais encorajadas a denunciar?

Sim, exatamente onde as políticas públicas foram criadas, existe a divulgação sobre a lei. Existe a procura das mulheres para esses equipamentos. Por exemplo, o centro de referência da mulher é um espaço onde ela não precisa denunciar, tem atendimento psicossocial e jurídico, e que ela vai entender e vai escolher ou vai se situar numa situação em que quando ela decidir denunciar ela vai estar segura e não vai voltar atrás. Os outros equipamentos também são muito importantes. A importância também de todos os outros equipamentos: a casa abrigo, para o caso de essa mulher não poder retornar para casa, porque sofre perigo de ser assassinada. O juizado e a delegacia da mulher.

 

Com base na sua própria experiência de vida, por que é tão difícil romper o ciclo da violência?

Primeiro por medo, né? Com certeza esse homem tem poder sobre essa mulher, psicológico e de força. E segundo porque ela acredita que o agressor vai mudar, porque ele promete isso a ela depois de uma agressão. Ele se faz de arrependido, mas em outra ocasião ele faz a mesma coisa ou até pior. E às vezes ela também se sente incapaz de cuidar dos seus filhos, de se sustentar sozinha, porque ela não tem nenhuma renda. Tudo isso pesa para ela decidir sair daquela situação. O centro de referência é exatamente o local onde ela pode ter respostas para as suas angústias.

 

E qual é a impressão que se tem hoje sobre os homens? Eles pensam duas vezes antes de agredir uma mulher já que existem lei e equipamentos de proteção?

Olha, no momento em que o Estado dá o seu exemplo de compromisso com a lei, os homens repensam suas condutas. Eu tenho histórias de mulheres que dizem que no dia que o seu vizinho foi preso em flagrante por bater na mulher os outros nunca mais levantaram a mão para elas. Assim eles sentem que a lei veio para cuidar dessa mulher que é vítima de violência doméstica. Mas se o inverso acontecer, se o policial não foi capacitado, chega na comunidade atendendo a um chamado, não assume o seu papel de prender o agressor, então ninguém mais acredita que a lei vai ter efetividade.

 

Olhar para o agressor é uma forma de prevenir a violência contra a mulher?

Com certeza. Porque esses agressores foram educados por agressores. Eles cresceram vendo os pais batendo nas mães. Vendo o seu avó batendo na sua avó. E isso ser considerado normal. Ou vendo a mãe achar que aquilo era normal, porque deixou de fazer algo para o pai. Então, foi educado dessa maneira. E nessa educação é que a gente precisa investir. O poder público precisa investir na Educação para mostrar aos homens e mulheres que nós temos os mesmos deveres e os mesmos direitos. Nós temos o dever, sim, de tratar nosso companheiro, nossa companheira, com dignidade. O homem tem que respeitar a sua mulher como pessoa humana.

 

Como isso deve ser feito? Grupos de homens devem ser aplicados em mais lugares?

Sim, com certeza. A gente tem grupo de homens que trabalham no enfrentamento da violência contra a mulher exatamente para esclarecer aos agressores a maneira como eles tratam mulheres. E que ao não tratar de uma maneira equilibrada, de respeito, eles podem ser presos. E aqueles que estão presos, estão revendo suas condutas. Pode até ser que eles não retomem o relacionamento que resultou na prisão, mas em um outro relacionamento ele já vai repensar sua conduta. Caso ele cometa o mesmo crime de bater na sua mulher, ele vai ser preso novamente.

 

Algumas pessoas relutam nesse atendimento e dizem que a prioridade deve ser a mulher. Qual é a sua opinião sobre isso?

Eu entendo que a prioridade do gestor público é fazer com que a lei Maria da Penha saia do papel e funcione realmente. No momento em que a lei sai do papel, também tem que se pensar no homem agressor. O atendimento ao homem agressor vai se fazer de uma maneira mais lenta, porque realmente a mulher é prioridade. A mulher é a maior vítima desse tipo de relacionamento.

 

Esse pode ser o caminho para evitar reincidência? Há melhor estratégia?

No fato já consumado, o agressor vai ter que repensar suas condutas. Antes, a educação precisa estar desde o ensino básico até o universitário. As crianças devem sensibilizar desde cedo, para quando forem jovens já terem entendimento de que é errado. E esses alunos vão ser os futuros operadores da lei. Quer na área jurídica, social, de saúde… Eles vão estar sensibilizados e saber abordar uma mulher que chega no hospital com lesão provavelmente provocada pelo marido. Entender que aquela violência não é o que ela está dizendo: que foi um escorrego, um atropelo, mas que é uma violência originária de um relacionamento, da violência doméstica.

 

Homens também se dizem vítimas em alguns relacionamentos. O que a senhora pensa sobre isso?

Essa agressão que os homens dizem que sofreram é uma auto-defesa. Porque a mulher não tem condição de enfrentar a força física do homem. Essas respostas que aparecem e que são colocadas na maioria das vezes são defesas delas. Estatísticas mostram que apenas 2% de homens que chegam a sofrer algum tipo de violência doméstica. O restante é a mulheres que sofreram.

 

A edição da lei do feminicídio é avanço?

Foi muito pertinente a criação do feminicídio. Para caracterizar cada vez mais o quanto as mulheres são vítimas da violência chegando a ser assassinadas.

 

E as medidas protetivas emitidas pelos delegados, que vêm sendo discutidas. Acha certo?

Olha, é necessário, antes de qualquer mudança, fazer com que a lei funcione. Porque se a lei funcionar, não vai precisar de mudanças. Se a lei funcionar de verdade, se os equipamentos forem criados, se as delegacias da mulher funcionarem 24 horas por dia como a lei manda, não há necessidade de a medida protetiva ser dada pela delegacia. Eu não sou da área jurídica, mas eu percebi que realmente a lei precisa funcionar para a finalidade que ela foi criada e respeitando cada instituição. A delegacia tem papel específico, o Ministério Público tem, o juizado tem. Então esses poderes precisam se harmonizar e não procurarem ver falhas na atitude do outro e tentar assumir aquela atitude. A lei foi criada com apoio de juristas internacionais com experiências de outras leis de violência contra a mulher. Então foram mais de quatro anos para que essa lei fosse editada de acordo com os tratados que o Brasil assinou e ratificou.

 

É possível acabar com a violência contra a mulher?

Diminuir e muito é possível. Acabar a gente tem esperança, mas tem `n¿ fatores que ainda vão ser trabalhados para que esse acabar aconteça. Tenho esperança de que a cada ano, havendo responsabilidade do gestor público em relação a essa lei, a violência vai sim ser expressamente diminuída.

 

Gabriele Duarte para o Diário Catarinense

Últimos do Blog
Noticias

Gobierno de Bolivia entregará títulos de tierra a campesinos

Más
Noticias

Colombia. Los cinco precandidatos presidenciales que ya tiene el Pacto Histórico para 2022

Más
Noticias

Nito Cortizo aseguró que en su administración no se han realizado escuchas ilegales

Más
Noticias

Enrique Sánchez está enfocado en refundar el Partido Febrerista

Más
Noticias

PRI y PRD pierden más del 70% de su militancia

Más
Noticias

Legislativo de Ecuador instala mesa sobre demandada ley de educación

Más
Noticias

Castillo nombra a primer ministro de izquierda en Perú y deja pendiente al de Economía

Más
Noticias

Argentina passa a considerar cuidado materno como trabalho e garante direito à aposentadoria de 155 mil mulheres

Más
Noticias

PRD pide a ciudadanos no participar en la consulta popular del 1 de agosto

Más
Noticias

Bolsonaro emprende nueva reforma ministerial para sumar apoyos en el Congreso

Más
Noticias

La hora de Pedro Castillo

Más
Noticias

Colombia Humana, UP y MAIS se declararon en oposición a Claudia López

Más
Noticias

Proyectos que ha realizado la alcaldía de Claudia López

Más
Noticias

Presidente del partido de izquierdas uruguayo deja su cargo y llama a unión

Más
Noticias

Mónica Fein será precandidata a diputada nacional y enfrentará a la lista de Pablo Javkin

Más
Noticias

Narváez marca primeras diferencias con candidatura de Provoste: “La realidad que hemos visto, es que es una reacción a las encuestas”

Más
Noticias

Presidente del PS, Álvaro Elizalde, asegura que Narváez no bajará su candidatura en favor de Yasna Provoste

Más
Noticias

Nicaragua: el régimen continúa con la persecución a opositores y Ortega aseguró que “no hay espacio para la negociación”

Más
Noticias

Colas para hacerse con un hueso de carne: el hambre se dispara en Brasil

Más
Noticias

Sí Por México llama a PAN, PRI y PRD a buscar candidato de unidad para las elecciones de 2024

Más
Noticias

Pedro Castillo teje una red de apoyos para gobernar Perú en un escenario adverso

Más
Noticias

La Policía investiga a Bolsonaro por supuesta prevaricación en la pandemia

Más
Noticias

Gustavo Petro brasileño está cansado de que lo culpen de todo en Twitter

Más
Noticias

Claudia López acusa a Petro de ‘incendiar a Colombia’

Más
Noticias

Ex-ministro da Defesa da Bolívia planejou segundo golpe usando mercenários dos EUA

Más
Noticias

Cuba logra la primera vacuna latinoamericana con datos de efectividad al nivel de Pfizer y Moderna

Más
Noticias

Presentan en Ecuador propuesta para ley de aborto por violación

Más
Brasil

El bolsonarismo puede volver al poder

Más
Perú

La pobreza extrema en Perú durante el Gobierno de Boluarte supera ya los niveles de la pandemia

Más
Venezuela

Petro ya tiene en su poder el borrador de «paz política» en Venezuela tras las elecciones presidenciales

Más